Reform 2009 - Alex Wodak - Reforma das leis: o começo do fim.

"Harm reduction minimizes harms of drug policies"

Foi com esta frase e esta divertida imagem que Alex Wodak (psiquiatra da Austrália, board IHRA) encerrou sua apresentação na grande plenária da conferência Reform no dia 13 de novembro.






Wodak começou sua apresentação em tom irônico, criticando cada meta definida pelos EUA e aliados, com a frase: "Mission acomplished? I don't think so".

Expôs o fracasso da política proibicionista, exibindo dados que mostram que a produção e a disponibilidade de drogas só aumentou e os preços só caíram, apesar de todos os esforços, e bilhões gastos com esta política.

E além disso, o pior, esta política criou um "dano colateral" importante: um mercado ilegal de proporções imensas que desestabiliza sociedades e democracias, corrompe governos e economias. E ressalta que o próprio UNODC reconheceu isso em seu último relatório.

Em seguida Wodak cita uma série de opiniões de especialistas de todo mundo que, ao longo dos anos, vem dizendo que esta é uma política fracassada.

A que mais me chamou a atenção foi uma avaliação de um membro do governo da Austrália em 1908, que já dizia que apesar dos milhões gastos com a proibição o ópio ainda entrava no país livremente.

Então, porque, apesar de todas as evidências de fracasso o proibicionismo continua sobrevivendo?

Interesses pessoais? Falta de alternativas? Porque é um viagra político?

Tentando explicar esta aparente contradição, Wodak cita vários estudos que "provam"que a dependência química é uma doença cerebral. Mas se é uma doença de origem bioquímica, porque é mais prevalente em regiões onde há mais desigualdade social? Onde há mais estressores sociais?


"Pessoas estressadas aliviarão seu stress através de meios farmacológicos, se puderem"

Um estudo de 1970 motivado pela hipótese de que as drogas não causam dependência, comprovou que apenas ratos submetidos a fatores estressantes se tornavam dependentes de ópio. Este estudo, apesar de replicado diversas vezes, nunca foi aceito nos EUA.

Alex Wodak conclui sua apresentação citando Antonio Gramsci - "The old is dead, but the new is not yet born” e explora alternativas ao sistema proibicionista: tratar as drogas ilícitas como uma questão social e de saúde, eliminar penas para posse e consumo, regulamentar o comércio de cannabis, expandir acesso, diversidade de opções e financiamento para tratamentos.

Médico, psiquiatra, cientista renomado e acima de tudo um defensor de políticas e práticas inovadoras em seu país, Alex Wodak é uma voz de peso no movimento pró-reforma. Suas palavras foram acolhidas com caloroso aplauso de centenas de pessoas que assistiram a plenária central daquela sexta-feira. Certamente um dos momentos mais marcantes da conferência.




Os slides da apresentação estão disponíveis no site da
Drug Policy Alliance.

Comments

Popular posts from this blog

About Marisa Felicissimo

26 de junho: Vamos ajudar o UNODC a fazer uma escolha saudável!