Canadense aconselha MS a adotar redução de danos para o crack.


Bom, parece que o governo brasileiro está conversando com as pessoas certas. Benedikt Fischer, PhD em criminologia e membro da Comissão de Saúde Mental do Canadá, esteve no Brasil, conversando com Pedro Gabriel Delgado (coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde) sobre o problema do crack e possíveis soluções.

Soluções caracterizadas como "radicais" pelo jornal O Estado de S. Paulo, na notícia que pode ser lida abaixo, são na verdade, medidas de redução de danos, muitas já implementadas há anos no Canadá e que realmente podem salvar vidas.

Medidas essenciais para ajudar a solucionar um problema grave, que atinge populações muito vulneráveis (jovens e moradores de rua), as estratégias de redução de danos, precisam ser seriamente consideradas no caso do crack, pois ajudam principalmente, mas não somente, nos casos mais graves e quando o usuário ainda não consegue se abster ou se engajar completamente em tratamentos de reabilitação.


Felizmente parece que o governo está interessado em aprender o que há de mais inovador na área de cuidados com usuários de drogas e não somente repetir a implementação de velhas e ultrapassadas fórmulas de reabilitação (pelos 12 passos) e longas internações (em comunidades terapêuticas), que por anos monopolizaram a área de tratamento de drogas no Brasil. Se depender da pressão da mídia, opinião pública e de alguns especialistas conservadores, que continuam insistindo que o governo deve investir prioritariamente em leitos para internação, essas ideias do canadense não devem ir muito longe no Brasil.

Leia mais sobre redução de danos no Canadá em aqui.

Médico defende soluções radicais contra dependentes de crack

São Paulo - O diagnóstico do médico canadense Benedikt Fischer, da Simon Fraser University, em Vancouver, que há 15 anos faz pesquisas com viciados em drogas, não é dos mais animadores. “Não existe outro país que tenha uma situação tão extrema como o Brasil com crianças usando crack.”

Membro da Comissão de Saúde Mental do Canadá, ele esteve no mês passado no País discutindo com o coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Pedro Delgado, futuras parcerias. O que mais o impressionou na visita foi ver tantas crianças pobres viciadas.

Fischer acredita que as autoridades têm de “explorar soluções radicais”. Entre elas está o uso de maconha no tratamento. “Os viciados em crack são muito agressivos. Pesquisas mostram que os que usam Cannabis ficam menos agressivos.” Ele também defende um programa que discute com o governo canadense: a criação de lugares seguros para que os viciados usem crack. “Lá eles poderão ter apoio médico e social. E depois serem encaminhados para desintoxicação.”

Outro programa proposto por Fischer e que já começou a ser executado no Canadá é a distribuição de kits para que os viciados façam cachimbos. Drogados que usam o mesmo cachimbo podem transmitir hepatite C por meio das feridas que se formam nos lábios. “Viciados são doentes. Colocá-los na cadeia só piora o problema.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Abril

Comments

Popular posts from this blog

About Marisa Felicissimo

26 de junho: Vamos ajudar o UNODC a fazer uma escolha saudável!